Idosos cumprem isolamento com rigor e bom humor

O coronavírus tem mudado a vida das pessoas no mundo todo, principalmente ficando em casa, fazendo quarentena e vivendo em isolamento social. Em Francisco Beltrão a maioria das pessoas tem se resguardado e seguido as orientações da Saúde. Os idosos fazem parte do “grupo de risco”, pois são as pessoas mais propensas a desenvolver a doença em caso de contágio.

Acostumados a uma rotina de festas, matinês, convívio com os amigos, vizinhos e netos, agora precisam cumprir quarentena e procurar novas e seguras atividades para se distrair. Dona Ana Cochinski, de 71 anos, e o esposo Adão Cochinski, de 73, são exemplos de pessoas que conseguem viver de forma tranquila o isolamento social.

Ana conta que eles freqüentam o Centro de Convivência dos Idosos há mais de 10 anos e adoram participar os matinês, conviver com os amigos, dar abraços, conversar, passar tardes agradáveis. Mas desde que foi recomendado  ficar em casa para prevenir a Covid 19, não saíram mais para fora do portão. “Sentimos falta dos encontros, mas sabemos que é necessário para a nossa saúde e o bem de todos. Temos saudade de tomar chimarrão com os amigos e visitar as pessoas, mas quando tudo isso passar voltaremos a nos reunir e dar muitos abraços”, relata Ana.

Casados há 50 anos, Ana e Adão moram no bairro Luther King, no mesmo local onde reside a filha Sandra. Ela mora no andar de baixo e eles no segundo piso. Sandra faz as compras de mercado para os pais. Durante o dia Adão gosta de cuidar do pomar que tem nos fundos da casa. Ana acompanha notícias na televisão e internet e os dois conversam com os amigos pelas redes sociais.

“Estamos acordando mais tarde, conversando mais um com o outro, cuidando da casa juntos e eu vou lá no lote cuidar das minhas plantinhas. Não é bom ficar longe das pessoas que gostamos, mas sabemos que é importante para saúde. Então vamos ocupar o tempo e aguardar dias melhores”, relata Adão.

Dona Ana conta que encontrou no Facebook uma amiga que não vê há 40 anos e agora conversam todos os dias pela rede social. “Ela mora em Cascavel e também está fazendo a quarentena. Já combinamos que quando tudo isso terminar vamos nos visitar”, diz Ana.

Clades Ribeiro, de 70 anos, e o esposo Pedro Ribeiro, de 74, moram no bairro Sadia e também estão cumprindo direitinho a quarentena. Ficam só em casa, não recebem visitas, nem dos familiares. Inclusive estão longe dos netos para prevenir a Covid-19. O casal recebeu as orientações de prevenção e diz que tem tomado todos os cuidados recomendados. Também recomenda que todas as pessoas que estão no grupo de risco façam o mesmo.

“Desde que foi recomendado não sair de casa, nós estamos fazendo isso.  Aproveitamos para cuidar da casa. Eu também cuido da horta enquanto a Clades faz crochê. Depois jogamos baralho, só nós dois. Temos feito orações para que isso tudo termine logo e possamos retomar nossas vidas. Já que não podemos visitar os amigos, usamos o telefone para saber notícias. Tem dias que o tempo custa passar, mas inventamos coisas para nos distrair”, relata Pedro.




Skip to content