Clínica Municipal de Saúde Mental orienta sobre questões relacionadas ao isolamento social

A secretaria Municipal de Saúde de Francisco Beltrão, através da equipe técnica da Clínica Municipal de Saúde Mental (referência na área pra toda a rede de saúde) elaborou um instrumento digital com sugestões de cuidados em saúde mental para este período de isolamento, medida necessária para a desaceleração do contágio pelo coronavírus, mas que traz também um desgaste emocional intenso.

       De acordo com a psicóloga Marina Thibes, da Coordenação Municipal de Saúde Mental, “vivemos um momento de extrema angustia, nos sentimos frágeis e desamparados frente a uma doença tão potente e devastadora. Precisamos encontrar meios e recursos emocionais para lidar com toda esta situação. O material elaborado por nossa equipe tem a meta de oferecer este apoio com sugestões e cuidados em saúde mental. Sabemos que circula muita informação e orientação através das redes sociais, mas entendemos que quando este cuidado é pensado por profissionais próximos da nossa realidade,  a população se sentirá mais acolhida, segura e amparada”.

       A Cínica Municipal de Saúde Mental oferece atendimento e suporte técnico aos demais serviços de saúde. A porta de entrada do serviço de saúde mental é o território onde o usuário reside, através dos postos de saúde, onde as pessoas são avaliadas pela equipe, com o posterior encaminhamento. Atualmente a clínica atende, em média, 800 pacientes ao mês com serviços de psiquiatria, psicologia e terapia de grupo. Também conta com atendimentos de profissionais do serviço social e de enfermagem. O suporte é completado pelo administrativo e auxiliar de limpeza.

       Marina explica que devido ao período de isolamento, foi avaliado e optado pelos atendimentos via telefone para os casos em que os pacientes já se utilizam da clínica. São consultas realizadas de acordo com a agenda do dia e com horário marcado. O profissional telefona para o paciente utilizando o mesmo sistema do atendimento presencial.

        Para as situações de pacientes que estão realizando a primeira consulta, é mantido o atendimento presencial. Também é desta forma para as demandas de urgências, como tentativa de suicídio e pacientes em crise oriundos da UPA.  Para a área de psicologia, o profissional entra em contato com o paciente, reagendado o atendimento presencial e orientando sobre necessidades que possam surgir.

          “Desta maneira entendemos que nossos pacientes estão sendo atendidos de forma segura e acolhedora durante o período de isolamento, enquanto houver risco de transmissão do Coronavírus”, dia Marina. Ela avalia que a experiência tem gerado resultados muito positivos, uma vez que é mantida demanda diária de pacientes, sem aglomerações e com  toda a qualidade do atendimento presencial.

        Explica que os pacientes tem relatado que se sentem mais seguros, pois não precisam sair do isolamento e tampouco interromper o tratamento. A equipe técnica de profissionais da clínica assegura que os pacientes estão estáveis e lidando de forma clara e comprometida, pois ficando em casa ficam mais tranquilos e estáveis.

        “Podemos afirmar que as atividades da Clínica Municipal de Saúde Mental seguem o curso normal, sem alterações no atendimento que possam comprometer a qualidade do serviço ou a dificuldade de acesso ao usuário. Estamos conseguindo atender a todos de forma resolutiva e da maneira acolhedora que o momento exige”, garante a psicóloga. 

       “Quando ouvimos dos pacientes que as consultas por telefone  é o melhor atendimento que poderiam receber neste momento e o quanto se sentem seguros e comprometidos com o tratamento, entendemos que tomamos a medida certa, pois a  estabilidade emocional é fundamental, especialmente para este período de  isolamento social”, completa Marina.

Atenção com os profissionais da saúde

          Outro foco da Clínica Municipal de Saúde Mental são os profissionais da área da saúde que estão na linha de frente nas unidades de saúde, especialmente os que exercem funções com uma carga de tensão muito grande. Para tanto disponibilizou apoio em saúde mental aos profissionais que necessitarem, tanto com atendimento presencial  quanto telefônico para os casos em que o profissional não puder se deslocar até a clínica.

        “Ainda não tínhamos vivenciado uma situação desta magnitude, onde a vida de todos encontra-se em risco e mais do que nunca precisamos uns dos outros para sobrevivermos. Certamente gerará consequências emocionais e psíquicas que ainda não conseguimos compreender a dimensão. Enquanto profissionais da área de saúde mental, precisamos estar atentos para termos a leitura do que virá e atuarmos de acordo com o que o momento exigir”, finaliza Marina.

Equipe da Clínica Municipal de Saúde Mental:

Marina Thibes (psicóloga e coordenadora); Jeferson Santos Guimarães (psicólogo); Alana Peruffo (psicóloga); Débora Bianchin (psicóloga); Clenia Scalon Dal Bosco (psicóloga); Marcio Luis Ferrari Filho (médico especialista em psiquiatria); Andréia Corrêa Fregonese (assistente social); Maria Jussara Pedroso (enfermeira); Anieli Maculan (auxiliar administrativo); Letícia Veronezi (auxiliar administrativo); Rosiliane Carneiro da Rosa (auxiliar de serviços gerais)

Confira a cartilha completa aqui

Anexos




Skip to content